Caixa de Entrada

Termos e Condições Gerais

 

1.                Considerações Iniciais

1.1                Estes Termos e Condições Gerais destinam-se a estabelecer os termos e condições pelos quais se regerá a prestação dos serviços da JG3, doravante denominada Somos Todos Eternos, por meio do site www.somostodoseternos.com.br.

 

1.2                Os serviços são oferecidos ao Usuário nos termos e condições aqui expressos. Qualquer pessoa, doravante denominada Usuário, que pretenda utilizar os serviços da JG3 deverá aceitar os Termos e Condições Gerais e todas as demais políticas e princípios que o regem, sendo que a aceitação destes termos e condições gerais é absolutamente indispensável à utilização dos serviços prestados pela Somos Todos Eternos.

 

1.3                O Usuário deverá ler, certificar-se de haver entendido e aceitar todas as condições estabelecidas nos Termos e Condições Gerais, antes da conclusão de seu cadastro como Usuário do Somos Todos Eternos

 

2.                Sobre o Somos Todos Eternos

2.1                O Somos Todos Eternos é um site destinado a perpetuar a história da vida em cada perfil, permitindo a fusão entre real e virtual através de homenagens. Nós sempre estaremos buscando melhorias para o bom funcionamento do site, com o objetivo de atingir o maior grau de satisfação dos nossos clientes. O alcance destes princípios estará sendo regido pelos nossos "termos e condições" e pela lei vigente no local, data e hora. A sua participação em conjunto com a nossa equipe é muito importante para nós.

 

Esta sessão deve ser lida integralmente por todos os usuários do site, pois possui informações essenciais para que nosso serviço seja utilizado de maneira correta. Nossos usuários devem utilizar nossos recursos de "contato" para auxiliar nossa equipe na identificação de transgressões às normas estabelecidas e de violação dos nossos "termos e condições", para possível solução dos problemas. Esta sessão é dividida em tópicos para facilitar a navegação.

 

3.                Cadastro do Usuário

 

3.1                Os serviços da JG3 estão disponíveis apenas para as pessoas que tenham capacidade legal para contratá-los, não podendo utilizá-los, assim, pessoas que não gozem dessa capacidade, inclusive menores de idade, ficando, desde já, o Usuário advertido das sanções legais do Código Civil, notadamente, art. 166, I; 171, I e 180 da lei n.° 10.406/02.

 

3.2                Apenas o responsável legal pelo falecido ou as pessoas autorizadas por estes responsáveis legais poderão criar o perfil da pessoa falecida no site da JG3, após o preenchimento de todos os campos obrigatórios. Ao clicar e criar o perfil da pessoa falecida, o autor (usuário criador do perfil em questão) estará declarando que a pessoa do cadastro em questão é falecida e possui o atestado e certidão de óbito emitidos previamente à criação do cadastro no site e que estes documentos estão de acordo com a legislação vigente no local, data e hora da criação do cadastro. A JG3 não se responsabiliza pela correção dos Dados Pessoais inseridos por seus Usuários. Os Usuários garantem e respondem, em qualquer caso, civil e criminalmente, pela veracidade, exatidão e autenticidade, dos Dados Pessoais cadastrados.

 

3.3                Caso exista mais de um responsável legal pelo falecido, o responsável legal criador do perfil do falecido só poderá criar este perfil se possuir um documento escrito, relatando que os outros responsáveis legais existentes estão de acordo com a criação do novo perfil em questão. Caso esta regra não seja seguida, o criador do perfil, ao clicar e criar o novo perfil estará se identificando como responsável legal por todos os atos praticados neste site em relação ao falecido em questão e estará declarando que os outros responsáveis legais existentes estão anuentes desta declaração, isentando a nossa equipe de qualquer responsabilidade sobre o cadastro criado. O cadastro da pessoa falecida criado é de inteira responsabilidade de seu criador.

 

3.4                Os responsáveis legais poderão comunicar as autoridades responsáveis e utilizar a lei vigente na data, local e horário da infração para tomarem as providências contra aqueles que infringirem os termos e condições.

 

3.5                Ao se cadastrar no site da JG3, o Usuário poderá utilizar todos os serviços disponibilizados, desde que declare, previamente, ter lido, compreendido e aceitado estes Termos e Condições.

 

4.        Privacidade, segurança e conteúdo

4.1                Nossa equipe tem como objetivo manter o site seguro, atualizado e livre de erros, porém, o usuário utiliza por conta e risco, sem garantia que estes objetivos sejam alcançados. Tudo o que for colocado/incluído pelos usuários do site é de inteira responsabilidade do autor da postagem, sendo que toda a nossa equipe fica isenta de qualquer responsabilidade pelo conteúdo. Ao realizar qualquer postagem ou incluir qualquer tipo de conteúdo, o usuário declara que estes não ferem os "termos e condições" do site, nem as leis vigentes na data, local e hora da postagem. Em resumo, a nossa equipe não garante que o site ficará protegido e seguro, não assume responsabilidade por ações, conteúdo, informações ou dados de terceiros.

 

5.                Normas gerais de utilização do site

5.1                As normas gerais de utilização do site são um conjunto de regras desenvolvidas pelos criadores, que devem ser respeitadas por todos os usuários. A infração de qualquer uma destas regras poderá resultar em penalização do usuário infrator, mediante julgamento de nossa equipe responsável após análise do fato. Faz parte de nossa política reportar os casos às autoridades responsáveis, caso nossa equipe julgue necessário.

5.2                Ao aceitar os termos e condições do site, o usuário se obriga a não incorrer nas seguintes práticas:

 

Atividade comercial

5.2.1                É proibida a atividade comercial que não esteja previamente autorizada por nossa equipe.

 

 

Sexo e nudez

5.2.2                É proibida a divulgação qualquer tipo de material relacionado a sexo ou nudez, bem como links para outras páginas que direcionem nossos usuários a acessar este tipo de conteúdo.

 

Injúria e difamação

5.2.3                É proibida qualquer forma de injúria e difamação, bem como a utilização de qualquer recurso de nosso site para ferir a integridade e a honra de terceiros ou incomodar/importunar terceiros de qualquer forma.

 

Violência e discriminação

5.2.4                É proibida a utilização de qualquer recurso de nosso site para ameaçar, perturbar ou assediar outros usuários, bem como divulgar qualquer forma de violência contra pessoas, animais ou outros. Também são proibidas manifestações de ódio contra o outro baseado em raça ou origem étnica, religião, idade, deficiência, sexo ou orientação/identidade sexual.

 

Informação privada e confidencial

5.2.5                É proibida a publicação não autorizada de informação privada e confidencial de qualquer pessoa ou empresa. Visando sua própria proteção, tenha cuidado com o tipo de conteúdo que você compartilha. Ao utilizar nossos recursos para incluir qualquer tipo de conteúdo protegido por lei, como, por exemplo, marcas, logos, desenhos, fotos, imagens, segredos comerciais ou qualquer outro tipo de informação, o usuário declara que possui o direito legal para a publicação dos mesmos. A nossa equipe não se responsabiliza pela infração desta regra, sendo o uso indevido de informações privadas e confidenciais de inteira responsabilidade do usuário.

 

Direitos autorais

5.2.6                Qualquer infração aos direitos autorais deverá ser notificada a nossa equipe imediatamente, para que possamos tomar as devidas providências.

 

Atividades Ilegais

5.2.7                É proibida a utilização de qualquer recurso de nosso site para a realização de qualquer atividade ilegal.

 

Vírus, spams e lixo eletrônico

5.2.8                É proibida a disseminação de vírus, spams, ?esquemas de pirâmides? e qualquer forma de material considerado como "lixo eletrônico" pela nossa equipe, estando os mesmos sujeitos às penalidades que nossa equipe julgar adequadas.

 

Vídeos, fotos, músicas, imagens e links

5.2.9                É proibida a colocação de fotos, videos, músicas, imagens e links que não estejam previamente autorizadas pelos seus responsáveis legais. O autor da postagem em questão declara que todas as pessoas que aparecem ou participam de qualquer foto, video, música, imagem ou link direta ou indiretamente autorizam e estão cientes de sua aparição nos mesmos. O autor da postagem em questão declara que os responsáveis legais pelos locais que aparecerem em qualquer foto, imagem ou vídeo direta ou indiretamente autorizam e estão cientes de sua aparição nos mesmos.

 

5.3                A equipe Somos Todos Eternos e a empresa JG3 não se responsabiliza por qualquer tipo de infração às normas gerais de funcionamento do site. É obrigação e de inteira responsabilidade do usuário a leitura, entendimento e aceitação dos termos e condições e das regras descritas em qualquer parte de nosso site previamente à utilização do mesmo.

 

5.4                Caso qualquer cláusula destes termos e condições seja violada, o usuário perde o direito de privacidade e confidencialidade em relação a qualquer conteúdo postado, inserido ou que esteja armazenado em nosso banco de dados, ficando as equipes do Somos Todos Eternos e da JG3 autorizadas a fazer o uso das informações da forma que julgarem necessários.

 

6.                Considerações Gerais do Site

6.1                O Somos Todos Eternos não se responsabiliza por qualquer dano, prejuízo ou perda sofridos pelo Usuário em razão de falhas na internet, no sistema ou no servidor utilizados pelo Usuário, decorrentes de condutas de terceiros, caso fortuito ou força maior. O Somos Todos Eternos também não será responsável por qualquer vírus que possa atacar o equipamento do Usuário em decorrência do acesso, utilização ou navegação na internet ou como consequência da transferência de dados, arquivos, imagens, textos ou áudio.

 

6.2                O uso comercial da expressão Somos Todos Eternos como marca, nome empresarial ou nome de domínio, bem como os conteúdos das telas relativas aos serviços do Somos Todos Eternos, assim como os programas, bancos de dados, redes, arquivos que permitem que o Usuário acesse os serviços oferecidos no site www.somostodoseternos.com.br são de propriedade da JG3 e estão protegidos pelas leis e tratados internacionais de direito autoral, marcas, patentes, modelos e desenhos industriais. O uso indevido e a reprodução total ou parcial dos referidos conteúdos são proibidos, salvo a autorização expressa da JG3. O site www.somostodoseternos.com.br pode linkar outros sites da rede mundial, o que não significa que esses sites sejam de propriedade ou operados pelo Somos Todos Eternos, não possuindo controle sobre esses sites nem sendo responsável pelos conteúdos, práticas e serviços ofertados. A presença de links para outros sites não implica relação de sociedade, de supervisão, de cumplicidade ou solidariedade do Somos Todos Eternos para com esses sites e seus conteúdos.

 

6.3                O Usuário indenizará a JG3, suas filiais, empresas controladas ou controladoras, diretores, administradores, colaboradores, representantes e empregados por qualquer descumprimento dos Termos e Condições Gerais, ou pela violação de qualquer lei ou direitos de terceiros, incluindo honorários de advogados.

 

6.4                Todos os itens destes Termos e Condições Gerais estão regidos pelas leis vigentes na República Federativa do Brasil. Para todos os assuntos referentes à interpretação e ao cumprimento destes Termos e Condições Gerais, as partes elegem o Foro Central da Cidade de São Paulo, renunciando qualquer outro.

 

6.5                Todo e qualquer conteúdo postado pelo usuário neste site, bem como e-mail, mensagens, nomes, compartilhamento com redes sociais, entre outros, poderá ser armazenado em banco de dados pela JG3 e utilizado posteriormente para utilização em outros sites da empresa, para divulgação de novos produtos ou para qualquer finalidade que a empresa julgue necessário.

Recuperar Senha

News

Acompanhe notícias sobre o Somos Todos Eternos e novidades do segmento.

Clique no título para ler o conteúdo de seu interesse.






Um casal da Califórnia, EUA, morreu com apenas quatro horas de diferença um do outro, após viverem 62 anos juntos. Don e Maxine Simpson faleceram no último domingo, segundo informações do Daily Mail.

Don Simpson sofreu uma queda em casa, na semana passada, desenvolvendo problemas graves. Ele foi hospitalizado e, logo em seguida, a família descobriu que o câncer contra o qual Maxine lutou nos últimos anos, havia piorado.

Após receberem tratamento no hospital, os dois foram liberados e voltaram para casa. A neta dos dois, Melissa Sloan, fotografou os avós por anos e, como prova de amor, conseguiu capturar seus últimos momentos juntos, quando, mesmo doentes, estavam de mãos dadas.

No último domingo, a idosa morreu enquanto dormia (ao lado do marido). O corpo de Maxine foi retirado do quarto e, apenas quatro horas depois, foi Don quem morreu. A neta deles disse que, apesar da tristeza da família, todos estavam muito emocionados com a cumplicidade que permaneceu até o final da vida, entre eles. “É uma verdadeira história de amor”, disse.

Fonte: Portal Terra




No início deste ano Janine era como qualquer outra noiva: planejava a festa de casamento, procurava o vestido perfeito e esperava ansiosamente o momento em que caminharia até o altar.

Infelizmente ela nunca teve essa chance: cinquenta e dois dias antes da data em que seria realizada a cerimônia, seu noivo, Johnny, veio a falecer. Assim, seu vestido de casamento personalizado, antes símbolo de felicidade, tornou-se um lembrete do que ela havia perdido.

"Mesmo sendo a representação de um dos piores momentos da minha vida, decidi manter meu vestido", contou Janine ao site Del Sol. "Eu queria ser livre de verdade deste sentimento de perda, precisava fazer algo diferente, algo definitivo. Vender meu vestido não mudaria a minha dor."

Acreditando que a água é um poderoso elemento de purificação e grande representante da liberdade, Janine decidiu protagonizar um lindo ensaio fotográfico submerso, onde ela aparece mergulhando com seu vestido de noiva. Uma delicada e emocionante forma de homenagear o amor de sua vida, se libertar da dor do luto e dar um novo significado ao vestido que nunca podeusar.

Para tanto, ela contou com a ajuda do fotógrafo Matt Adcockumm que além de realizar as fotos do ensaio, divulgou sua linda história.
Fonte: Catraca Livre


Sinopse

"Os irmãos Charlie (Zac Efron) e Sam (Charlie Tahan) formavam uma dupla e tanto, mas um trágico acidente os separou. Apesar disso, Charlie conseguiu manter contato com ele após a morte e tornou-se um cara estranho e recluso, abandonando seu futuro para trabalhar no cemitério da pequena cidade. Anos mais tarde, Charlie reencontra uma jovem da escola (Amanda Crew) e passa a sentir por ela uma forte atração. Agora, ele precisa decidir entre manter a promessa que fez ao irmão de nunca mais o abandonar ou seguir o desejo de seu próprio coração e dar um novo rumo para a sua vida."

Crítica

“O filme é realmente muito bonito e tem uma lição de vida. É como se mostrasse que nada acontece por um acaso e que o que aconteceu no passado é pra ficar no passado e seguir em frente com a sua vida. Gostei bastante disso. O filme me lembrou muito a série 'A mediadora', de Meg Cabot, pois no filme o Charlie é um médium que enxerga pessoas mortas.”
Fonte: Criticando por Aí – Dicas de filmes


A ideia do fim da vida se torna mais próxima com a idade, o que faz com que eles encarem perdas de forma diferente

Falar sobre perda ou morte é sempre um ponto delicado e muito amplo para todas as idades, além da representação diferenciada que temos sobre ela em cada fase de vida. O medo da morte é sem dúvida um tema que desperta muita curiosidade e talvez seja um dos mais estudados. Mas, nem sempre a ideia de morte é vista com sofrimento ou tabus doloridos. Existem filosofias e hábitos de vidas, pelo mundo, onde a morte é entendida como um processo muito natural e às vezes até mesmo esperada e de certa forma comemorada. Devemos, portanto e com toda certeza, incluir em nossas análises frente a ideia de morte, os processos culturais, o desenvolvimento emocional, religião, família, meio que se vive, bem como o quadro de saúde clinica e saúde financeira (durante a vida da pessoa) para compreendermos de fato as reações frente a morte para cada ser humano, em qualquer idade. Falar de morte para idosos nos faz crer que primeiramente devemos entender quem são estes idosos, de onde vem, suas crenças e condições de vida, para depois falarmos de suas reações frente a morte, conforme mencionei acima. A fase idosa é um processo de amadurecimento da vida adulta, onde notamos claramente as mudanças físicas. Mas nem sempre as mudanças internas são percebidas com tanta facilidade. É comum as pessoas se surpreenderem com os idosos e suas capacidades de analisar a vida e entender as realidades, com muito mais consciência e, portanto, facilidade que os adultos mais jovens, mesmo que muitas vezes eles tenham suas limitações clínicas.

Questão de perspectiva

A finitude de vida, por exemplo, é normalmente melhor encarada e menos sofrida de se compreender pelos idosos, do que por um jovem adulto ou um adulto de meia idade, pois nesta fase anterior de vida ainda enfrentamos uma forte influencia e pressão do padrão social e cultural que devemos seguir e conquistar. Falo aqui das responsabilidades de ser mãe/pai, esposo(a), profissional. Já com o idoso, este processo de reflexão acaba gerando, normalmente, um fechamento destes papéis impostos pelas sociedade. Os idosos acabam se dando conta de não ter mais que seguir estas obrigatoriedades diminuir muito.

É bem comum os idosos reagirem com alivio e leveza, com este fechamento de obrigações sociais da vida e se perceberem mais "livres" das pressões. Normalmente estes idosos possuem uma reflexão satisfatória de suas vidas, e por isso tendem apresentar maior facilidade com esta aposentadoria e consequentemente menos receio da morte. Não que eles apresentem menos preocupação, com a morte, mas sim possuem um maior entendimento dela como um processo natural e inevitável de vida. Diferente dos adultos mais jovens e de meia idade que normalmente apresentam maior temor e relutância com esta ideia.

Uma ideia de boa morte, normalmente está ligada a ideia de uma boa vida, boas construções e não ter pendências / dívidas consigo ou com o com outro. Esta satisfação com a vida permite a aproximação da morte com menos tensão e temor. A religião, as tradições ou filosofias de vida tem forte impacto e podem até mesmo ser determinantes nesta análise sobre si mesmo e sua historia.

Alguns idosos podem sentir angustias ou aflições, com o fim destas pressões sociais e esta reação é mais comum com idosos que possuem insatisfação com sua historia de vida (sendo dificuldades financeiras ou saúde ou emocional). Estas pessoas tem a tendência a enxergar este período como uma grande angustia e costumam não aceitar muito bem este fechamento, relutando e sofrendo com o processo. A morte para estes idosos, também costumam ter uma reação muito similar de angustia e relutância.

O outro lado da moeda

Apesar de a morte, muitas vezes, ser entendida como menos tensa pelos idosos, ela possui também uma grande relevância, neste período, visto que sua vida acaba sendo quase toda reorganizada para lidar com esta aproximação da finitude, tanto sua como de seus conhecidos. A morte fica mais clara e passa a ser mais uma das tantas tarefas, de vida, que temos.

Para os idosos um cônjuge costuma ser um importante aliado, portanto a morte de um deles é sem dúvida o luto mais difícil de ser vivido, principalmente se for inesperada ou repentina. Já quando há um processo de adoecimento, a ideia da possibilidade de perda se torna mais evidente, e a realidade se impõe mostrando a necessidade de se preparar para o fim. Ambos, no casal, precisam se preparar e é comum viverem a ideia de luto em vida como despedida.

Quando ocorre a morte de um deles, o sofrimento é intenso e deve ser acolhido pacientemente. Não devemos fingir ou negar este sofrimento, nem mesmo agradecer por este fim, visto que a pessoa estava doente ou possuia muita idade, como tantas vezes ouvimos por aí. Não existe palavra que console ou etiqueta a ser seguida, mas atitudes como estas provocam mais angustia em quem já esta sofrendo. O que devemos fazer é ajudar o idoso a passar por este momento, falar e às vezes chorar, sobre aquele que morreu, resgatar as boas lembranças e desta motivação ajuda-lo a se reencontrar em sua vida, agora, sem sua parceria. Atividades e amigos ajudam muitos a seguir adiante.

É também, comum esperar por certos desejos de que sua morte chegue logo, para se livrar do sofrimento ou para poder ter a chance de reencontrar aquela pessoa querida e necessária em uma pós-vida. Este desejo de morrer, quando se está de luto, aparece mais claramente nos idosos do que em outras fases de vida, visto que eles normalmente já convivem com esta ideia de aproximação do fim, mais que nas outras idades.

Os homens costumam sofrer mais com a morte da esposa, pois normalmente se apoiam com o passar dos anos em suas mulheres para cuidados, rotinas, passatempos e família. Portanto é mais comum uma reação depressiva intensa nos idosos homens, podendo até mesmo adoecerem. As mulheres também sofrem com a perda de seu parceiro, porém desde muito antes do envelhecer a mulher tende a ter outras fontes de relacionamentos com significados fortes, além do marido, como: seus filhos, netos e amigos e familiares. E estes relacionamentos já existentes parecem ser uma forte justificativa para as mulheres enfrentarem com menos sofrimento a perda do esposo. O mundo demonstra, ainda, ter outros motivos para continuar. Assim podemos entender que quem constrói ao longo da vida uma base social, importante, de relacionamentos parece conseguir passar pelo processo de finitude com menos temor.

Volto a lembrar que o modo como lidamos com o processo de morte (nosso ou dos próximos a nós) é resultado de nossa estrutura interna, nosso EU. Os padrões para as reações são firmados desde nossa infância e através de todo nosso aprendizado de vida, inclusive na fase idosa. Talvez a vida, vivida, seja um grande aliado para lidarmos com a morte e que nosso entendimento e reação com a morte é similar ao nosso entendimento e reação com nossa vida.
Fonte: Minha Vida.


Milhares de pessoas e um sentimento em comum: tristeza. Família, amigos, políticos e admiradores expressavam em lágrimas e perplexidade a dor pela morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que está sendo velado hoje (17) no Palácio Campo das Princesas, sede do governo. Durante a missa de corpo presente, de quase duas horas, celebrada pelo arcebispo de Recife e Olinda, dom Fernando Saburido, muitos presentes à cerimônia foram às lágrimas. O Corpo de Bombeiros precisou socorrer algumas pessoas que passaram mal próximo ao caixão do ex-governador pernambucano.

Ao lado do caixão, a viúva Renata Campos permaneceu serena, próxima aos filhos. No meio da cerimônia, Miguel, de seis meses, foi levado para dentro do palácio por uma tia. Ana Arraes, mãe de Eduardo Campos, parecia a mais inconformada com a tragédia da última quarta-feira, no litoral de São Paulo, quando avião da comitiva de Campos caiu em Santos.

Mesmo estando no lado adversário de Campos na campanha pela Presidência da República, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi aos prantos ao fim da missa campal. O deputado gaúcho Beto Albuquerque, a deputada Luiza Erundina, do mesmo partido de Eduardo, não se contiveram.

A presidenta Dilma Rousseff, que concorre à reeleição; os presidenciáveis pelo PSDB, Aécio Neves; e PV, Eduardo Jorge; e a companheira de chapa de Campos, Marina Silva, acompanharam a celebração.

Também estiveram presentes os governadores de Pernambuco, José Lyra; de São Paulo, Geraldo Alckmim; de Alagoas, Teotônio Vilela; do Espírito Santo, Renato Casagrande; do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, entre outras autoridades, como ministros, prefeitos, embaixadores e empresários.

Os restos mortais de Eduardo Campos serão velados na sede do governo até às 17h, quando o caixão será levado em carro aberto do Corpo de Bombeiros para o Cemitério de Santo Amaro.

Também estão sendo velados na sede do governo pernambucano, o jornalista Carlos Percol, o fotógrafo Alexandre Severo e o cinegrafista Marcelo Lyra.
Fonte: Agência Brasil


Um casal britânico, que durante 68 anos de casamento nunca passou um dia separado, morreu no mesmo dia com algumas horas de diferença, avança o Daily Mirror.

Dorothy Doughty morreu repentinamente em casa, aos 92 anos, quando George, de 91, estava internado no hospital com uma infecção pulmonar. O homem perdeu a vida dez horas depois. O casal deixou dois filhos, cinco netos e dois bisnetos.

"Muitas pessoas disseram-nos ser reconfortante que eles tenham estado juntos até ao final", contou Paul, um dos filhos.
Fonte: Correio da Manhã


Projeto do fotógrafo norte-americano Andrew George tenta mostrar lado mais pessoal da morte e fazer com que as pessoas a encarem de maneira diferente.

Em seu projeto, Andrew George tenta captar com sensibilidade imagens que tragam uma reflexão sobre a vida e a despedida dela

O artista costuma falar que seus retratos são confrontos da realidade assustadora da morte que fazem com que as pessoas a aceitem após observação.

"Quando a ideia deste projeto veio, a mãe de um amigo havia falecido recentemente e, em seu memorial, fiquei maravilhado com a forma como havia tanto amor para ela", afirmou ele em entrevista ao norte-americano Huffington Post.
A partir da morte da mãe do amigo, o fotógrafo começou a registrar imagens de pessoas em seus momentos finais e deu vida ao projeto.

Com o começo do projeto, ele passou também a conhecer pessoas que passam desapercebidas pela vida, mas que carregam no leito de morte diversas histórias diferentes.

O fotógrafo conta também se impressionou com a força das pessoas nos momentos finais de suas vidas, principalmente nas demonstrações de paixão pelas coisas em volta.

Apesar de boa parte de suas fotos retratarem tristeza, George afirma que nas fotos que tirou, conheceu algumas das melhores e mais felizes pessoas que já passaram em sua vida.

Na tentativa de entender melhor a situação das pessoas que estava fotografando, ele participou de diversas palestras com médicos e psicólogos especializados no tema.

Para resumir seu projeto, George afirma: "Estes homens e mulheres não eram diferentes de qualquer um de nós, e, mais cedo ou mais tarde, nós todos estaremos experimentando o que eram".
Fonte: Yahoo Notícias


Existem diversas maneiras de superar uma perda irreparável, como a de uma mãe. Kirsty Mitchell, fotógrafa inglesa de 38 anos, cuja mãe morreu em 2008, de câncer, decidiu homenageá-la voltando às memórias de infância e recriando os cenários incríveis dos contos narrados pela matriarca.

O resultado são fotos multicoloridas, recheadas de adereços, texturas e objetos feitos à mão. As fotografias, completamente produzidas por ela, têm como cenário Kent, seu condado natal, conhecido como “O Jardim da Inglaterra” por sua natureza exuberante.

A série Wonderland, que levou cinco anos para ser maturada e só ficou pronta neste ano, pode ser vista no site de Kirsty e em revistas internacionais de arte e fotografia.

“Minhas lembranças mais antigas eram sempre das histórias lidas por minha mãe, quando eu era criança... Ela incutiu em mim o dom mais precioso que uma mãe poderia ter: sua imaginação e crença na beleza”, confidencia Kirsty em seu site, onde reproduz parte de sua concorrida e exposição.

“As fotos são um lugar onde eu posso voltar às minhas memórias sobre minha mãe, longe dos hospitais”, continua Kirsty.

Segunda chance

Depois de diversos cursos de história da arte, fotografia e artes plásticas feitos na adolescência e na vida adulta, Kirsty trabalhou como designer sênior de uma marca internacional, até 2007. Naquele ano, apaixonou de vez pela fotografaria de arte.

Um ano depois, parou para acompanhar o drama da mãe e, quando esta se foi, Kirsty mergulhou de vez no mundo da fotografia de arte. De 2009 até o início de 2014, contou com a ajuda de alguns amigos, que lhe proporcionaram figurinos, adereços, cenários e acessórios – parte vital do processo de produção das peças e dos sonhos dela, em Wonderland.

Kirsty trata Wonderland como “uma segunda chance” de uma vida que “virou um lugar diferente”, haja vista que, por meio da fotografia surrealista, ela pôde andar na neve coberta de flores, sobre lagos ao pôr do sol, passear entre árvores pintadas de cores variadas e observar cadeiras ardendo em chamas. “Mantive os meus olhos abertos o tempo do todo e não importa o quão triste foi à origem de tudo, eu sempre vou valorizar este pequeno e muito precioso despertar”, diz.


Fonte: Fonte: Terra.


Andrew Hickie é um britânico de 42 anos que teve diagnosticado câncer terminal. Por conta da notícia, ele emocionou todos ao revelar que está planejando seu próprio funeral e, principalmente, uma "caixa de memórias" com fotos e bilhetes para seus filhos. As informaçõessão do britânico Daily Mail.

Com recados para toda a vida de seus filhos, Andrew quer se fazer presente na vida das crianças mesmo após sua morte. Após ser retirado de um grupo de tratamento alternativo por não ter reagido, ele espera poder receber o medicamento Pilimumab para que possa viver por mais alguns anos.

O câncer do britânico começou com uma pinta no pé esquerdo e já tem metástase no abdômen, fígado e cérebro, o que torna sua cura impossível.
Fonte: Fonte: Inspire-se.


A história de amor do casal começou em 1941, quando Kenneth e Helen se conheceram e começaram a namorar.

Três anos depois, os dois disseram aos pais que viajariam ao Kentucky, mas na realidade foram se casar. Chegaram no tribunal com 5 dólares no bolso, pouco mais que a taxa de 2 dólares e se casaram no dia 20 de fevereiro de 1944.

Voltaram e continuaram morando cada um com seu pai, até que semanas depois Kenneth deu a notícia. Logo Helen ficou grávida do primeiro filho do casal.

Desde então, o casal se orgulhava de não ter dormido uma só noite separado. Segundo os filhos, mesmo em uma ocasião quando tiveram que dormir em uma balsa onde só tinham beliches, eles preferiram compartilhar a cama de baixo.

Isso mudou há 2 anos, quando a saúde de Kenneth começou a falhar e Helen dormia no sofá para ficar perto dele. Depois foi a vez de Helen ficar ruim, confinada em uma cama de hospital perto do fim da vida.

No dia 12 de abril, Helen, com 92 anos, faleceu. Kenneth, 91, faleceu na manhã seguinte, 15 horas e meia depois do horário em que a esposa se foi.

A filha Linda Cody disse que os irmãos sabiam que quando um se fosse, o outro iria junto. ?Eles não gostariam de deixar o outro sozinho?. O casal que passou 70 anos juntos, tinha paixão por viagens e conheceu quase todos os estados americanos de ônibus. ?Preferiam ônibus ao avião porque podiam ver os lugares em que estavam indo?, disse Jim.

Helen e Kenneth morreram ao redor de todos aqueles que amavam, depois de viver uma vida plena e cheia de amor. Uma história que muitos sonham em ter. Uma história que merece ser compartilhada.
Fonte: Fonte: Site Eu te amo hoje


Os vereadores de Campinas (93 km de São Paulo) aprovaram por unanimidade nesta quarta-feira (17), em segunda discussão, o projeto que obriga a implantação do serviço de ?velório virtual? em todos os cemitérios públicos da cidade.

De acordo com o vereador Francisco Sellin (PMDB), autor do projeto, a ideia é permitir que as pessoas que estão longe e não podem comparecer para prestar as últimas homenagens sintam-se próximas dos amigos ou familiares nesse momento de dor por meio da transmissão da cerimônia via internet, com câmeras instaladas no local e envio de mensagens aos presentes.

Sellin disse que esse é o tipo de projeto que nem precisaria ser tratado como lei, mas já que, segundo ele, a prefeitura não teve a iniciativa, ele usou o modelo de dois cemitérios particulares do município e elaborou o texto do projeto.

"Assim vira lei e as pessoas tomam as devidas providências. O objetivo é ajudar alguém que esteja distante, perdeu a mãe ou pai e não conseguiria chegar a tempo para dar o último adeus." A pessoa interessada em acompanhar o velório virtual terá acesso às imagens a partir de senha exclusiva, desde que os parentes da vítima autorizem.

Apesar de não ter noção do valor gasto para a implantação do serviço, o vereador disse que o custo não é alto e que o cemitério da Saudade pode ser um dos primeiros a receber o novo serviço, caso o projeto seja sancionado pelo Executivo. O projeto estava em tramitação desde abril do ano passado. Agora, o prefeito Pedro Serafim (PDT) terá 15 dias para sancionar ou vetar o projeto.

R$ 75 mil

Segundo Antonio Marchini, que administra os dois cemitérios que já oferecem o serviço na cidade - Aleias e Flamboyant -, a implantação de um modelo simples para gravação custa, em média, R$ 75 mil. "O mais caro é a implantação. A mensalidade para manutenção do provedor do site que disponibiliza as imagens é baratinha?, disse Marchini.

No caso dos dois cemitérios, cada sala tem duas câmeras, uma geral e outra sobre o falecido. Marchini disse que apenas cerca de 5% da média mensal de 120 sepultamentos nos dois cemitérios opta pelo serviço. O diferencial é oferecido gratuitamente pelos dois estabelecimentos há mais de dois anos.
Fonte: http://www.passeiaki.com/noticias/vereadores-aprovam-projeto-obriga-velorio-virtual-cemiterios-publicos-campinas


Quando falamos em conhecer obras de arte logo nos vem à mente grandes museus. Porém, é possível conhecer o trabalho de importantes escultores na necrópole mais antiga de São Paulo, o Cemitério da Consolação. Mensalmente, o Serviço Funerário do Município de São Paulo (SFMSP) recebe, em média, 50 solicitações de paulistanos, turistas de todo o país e até do exterior, além de instituições de ensino, com o objetivo de realizarem a visita monitorada.

Tamanho interesse em participar do passeio turístico tem explicação. O local, com uma área de 76.340 m², fundado em 1858, abriga mais de 300 obras de artistas renomados, como o "Grande Anjo", de Vitor Brecheret, "Prece", de Bruno Giorgi, "Anjo da Guarda", de Enrico Bianchi, "Pietá", de Eugênio Prati, "A Lenda Grega", de Nicola Rollo, entre tantos outros.

Além disso, intelectuais, poetas e homens públicos estão sepultados no Cemitério Consolação. Muitos têm seus nomes em municípios, ruas, avenidas e hospitais, como, por exemplo, Líbero Badaró, Anália Franco, Pérola Byington, Jorge Street, Franco da Rocha, Tarsila do Amaral, Emílio Ribas e Júlio de Mesquita.

Os túmulos dos ex-presidentes da República Washington Luís e Campos Sales, dos ex-governadores Jorge Tibiriçá, primeiro chefe do Executivo Paulista, e Carvalho Pinto, além do jazigo do primeiro prefeito de São Paulo, Antônio da Silva Prado, políticos que fazem parte da história brasileira, estão localizados na necrópole, considerada um verdadeiro museu a céu aberto.
Porém, não são somente as belas obras e os sepultados famosos que atraem os visitantes. Quem gosta de arquitetura tem um motivo a mais para passear pelas ruas do local, graças a grande quantidade de imponentes mausoléus que a necrópole guarda.

Um dos mais célebres, sem dúvida, é o da família Matarazzo, o maior da América Latina, com 25 metros de altura, do subsolo ao pico, obra de Luigi Brizzolara. Mas, há, ainda, outros que merecem ser lembrados pela magnitude arquitetônica, como o mausoléu em forma de capela que reproduz uma catedral gótica italiana.

A visita a cemitérios é uma tradição no exterior, justamente pelas magníficas esculturas que ornamentam os túmulos de personagens históricos. Em cidades como Paris, Washington, Buenos Aires, Los Angeles, Berlim, entre outras, apreciar a Arte Tumular é um roteiro turístico quase obrigatório, e que cada vez mais tem conquistado adeptos por aqui, devido a oportunidade que proporciona aos cidadãos de conhecerem mais da história e cultura da Cidade e do Estado de São Paulo e do Brasil.

O SFMSP disponibiliza, no Cemitério Consolação, um guia para visitas monitoradas, terças e sextas-feiras, às 9h30 ou 14h30. Há necessidade, porém, de que essas visitas sejam marcadas com antecedência, por meio do telefone 3396-3832 e que seja enviado um e-mail com o nome completo do visitante, número de RG e telefone para contato para o endereço cdutra@prefeitura.sp.gov.br
Fonte: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/servicos/servico_funerario/noticias/?p=42065


Quem estiver em outra cidade, estado ou país, poderá se despedir de familiar ou ente querido; imagens serão transmitidas em tempo real.

Uma proposta inovadora deve ajudar muitas pessoas a se despedirem de um familiar ou amigo que esteja sendo velado em Votuporanga. O grupo Rosa Mística deve implantar, dentro de três meses, câmeras pelo velório do Cemitério Parque Jardim das Flores, para captar imagens a serem divulgadas no site da empresa. Sendo assim, um familiar que esteja em outra cidade, estado ou país, poderá acompanhar o velório. Por enquanto, somente uma câmera está instalada em uma das salas, mas a proposta é que mais aparelhos estejam disponíveis.

O velório online será um investimento alto para a empresa, uma vez que, para que o serviço seja prestado com qualidade, os aparelhos deverão transmitir imagens de ótima resolução.
Um dos diretores do grupo, Ronaldo Nogueira, adiantou que a plataforma do site já está pronta para receber esta interatividade, mas só aguarda um link melhor para transmissão de imagens. A ideia foi trazida para Votuporanga, depois que o empresário visitou uma feira funerária nos Estados Unidos.

Ele contou que se a empresa quisesse iniciar a transmissão, já poderia fazê-la em tempo real desde dezembro, quando era estimada a inauguração do programa. Entretanto, optou-se em adiar para melhorar o acesso. "Na área do Cemitério Parque não tem Speedy, mas sim, internet via rádio. Solicitaremos uma transmissão melhor, e estamos trabalhando para liberar isso o mais rápido possível aos nossos clientes", disse.

Fonte: http://www.acidadevotuporanga.com.br/local/2013/01/velorio-pela-internet-sera-implantando-em-tres-meses-n13914


Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades.*